ღ SEGUIDORES ღ

Plantas suculentas são belas em suas variedades de tamanhos, formatos, texturas e cores. O pouco que entendo sobre elas, são de informações que pesquisei. Assim como os nomes e classificações. Já perdi algumas e continuo uma aprendiz, pois parte da experiência, são com as próprias plantas. Tanto as Suculentas como as Folhagens ornamentais tem suas preferências. Cada uma delas ensina: local preferido, ventilação, quantidade de regas, luminosidade adequada, horas expostas ao Sol, temperatura ambiente, solo adequado, boa drenagem e, assim todo cuidado específico com cada uma delas deixa o seu jardim, sua casa um ambiente agradável, uma energia que propõe bela harmonia com a natureza.
ღO AMBIENTE COM VERDE DÁ MAIS VIDA E ENCANTA...POIS VERDE É TUDO DE BOM!

30 de abr de 2009

Peperomia pellucida (Piperaceae)


É uma das plantas que aprecio, comprei esta muda para fazer parte da minha coleção, mas no momento não a tenho mais. Existe uma outra espécie que também aprecio, conhecida como Peperomia melancia e o nome científico é Peperomia Argyreia. Abaixo das informações de pesquisa, tem foto desta Peperomia, que aliás me parece ter uma espécie bem parecida, mas o nome é Peperomia sandersii
Peperomia pellucida (Piperaceae)

Peperomia pelúcida
Sinônimos
Peperomia exigua 
Peperomia translucens 
Piper pellicudum L.
Peperomia pelúcida é anual, erva de raízes rasas, normalmente crescendo a uma altura de cerca de 15 a 45 cm. É caracterizada por caules suculentos, brilhantes folhas carnudas e minúsculas, em forma de coração, ponto com sementes ligados a vários picos de frutificação. Ele tem um odor semelhante a mostarda quando esmagados. A família Piperaceae compreende cerca de uma dúzia de gêneros e cerca de 3.000 espécies. O gênero Peperomia representa quase metade do Piperaceae com o gênero Piper fazendo a maior parte do resto.
Floração durante todo o ano, a planta é encontrada em vários habitats sombreados, úmidos em toda a Ásia e Américas. Ela cresce em touceiras, prosperando soltas, em solos úmidos e tropicais em um clima subtropical.
Em toda a América, ela é conhecida como pimenta ancião, silverbush, orelha rato, man-to-man, clearweed (América do Norte); wiwiri konsaka (Guianas); coraçãozinho ou "pequeno coração" (Brasil); língua de sapo, herva-de-Vidro, herva-de-jabuti (América do Sul). Na Oceania, é chamado rtertiil (Belauan); podpod-Lahe ou potpopot (Chamorro). Nos dialetos diferentes das Filipinas, ele é chamado pansit-pansitan ou ulasimang-bato (Tagalog), olasiman ihalas (Bisaya), sinaw-sinaw ou Tangon-Tangon (Bikol), e lin-linnaaw (Ilocano). Em outras partes da Ásia, é conhecido como Cang cua (Vietnã); krasang pak (Tailândia); Kosho suna (Japão); Rangu-Rangu, ketumpangan ou Angin tumpang (Bahasa / Malay); Rinrin (Nigéria).
Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/Peperomia_pellucida

Peperomia
Peperomia (planta radiante) é uma das duas grandes gêneros da Piperaceae família, com mais de 1.000 espécies gravadas. A maioria deles são compactos, pequenos perenes epífitas que crescem na madeira podre. Mais de 1.500 espécies foram registradas, ocorrendo em todas as tropicais e subtropicais as regiões do mundo, embora concentrada para a América Central e norte da América do Sul. Um número limitado de espécies (cerca de 17) são encontrados na África.
Descrição
Embora varie consideravelmente de aparência estas espécies têm geralmente grossos, caules e folhas carnudas robustos, às vezes com folha janelas. Flores de Peperomia normalmente vêm em amarelo ao marrom picos cônicas.
Essas plantas perenes tropicais são cultivadas pela sua foliage. Belas ornamentais são em sua maioria nativos da América tropical. Eles são compactos e, geralmente, não superior a 12 polegadas (30 cm) de altura. Eles variam consideravelmente em aparência. Alguns têm filiformes, caules à direita e alguns têm carnudas, caules robustos. As folhas são lisas e carnudo e pode ser de forma oval, com o pecíolo em ou perto do centro da lâmina de folha, ou pode ser em forma de coração ou em forma de lança; seu tamanho pode variar de 1-4 polegadas (2,5-10 cm) longa. Eles podem ser verdes ou listrado, em mármore ou limitado com verde pálido, vermelho ou cinza, e os pecíolos de alguns tipos são vermelhos. As pequenas flores são imperceptíveis e crescem em forma de picos semelhantes a um cordão.
Horticultura
Peperomias são cultivadas pela sua ornamental folhagem e às vezes por suas flores atrativas (Peperomia fraseri). Excepto para as suculentas espécies, são geralmente fáceis de cultivar em uma estufa. Espécies diferentes (por exemplo, Peperomia caperata ) e cultivares são encontrados no comércio.
Propagação
Estas plantas são normalmente propagadas por sementes. Eles também são comercialmente propagada por estacas. Peperomia reproduz por estacas de raiz facilmente.
As plantas podem ser divididos em tempo envasamento. Eles são removidos e separados em pedaços menores, cada um com algumas raízes associadas. Estacas de folhas ou caule também podem ser tomadas na primavera ou no verão. As folhas inferiores dos rebentos são removidos e é feito um corte por baixo da parte inferior do nó (conjunto). Eles são, em seguida, colocada sobre um banco por uma ou duas horas para permitir que uma camada protetora corky se formar ao longo dos cortes. Eles são, então, inserido numa caixa de propagação de calor de fundo de 70-75 graus F. Não é melhor para selar o topo completamente, enquanto que as plantas são semi-suculenta na natureza e umidade excessiva é prejudicial. Quando as raízes suficientes formarem, estacas podem ser plantadas em vasos de 3 polegadas ou em cestos.
Abaixo fotos de algumas espécies, da mesma fonte.
Peperomia caperata
Peperomia orba"Variegata"
 Peperomia clusiifolia "Jely"
Peperomia griseoargentea
Peperomia sandersii
Peperomia Argyreia , Peperomia melancia

Peperomia Argyreia (Peperomia melancia ou Begonia melancia) é uma espécie de planta na Piperaceae família. Seu alcance é nativa da Bolívia, Brasil, Equador, e Venezuela.

Peperomia obtusifolia (Piperaceae)

ღFOLHAGENS ORNAMENTAIS

Uma das primeiras folhagens ornamentais que comprei. 
Peperomia obtusifolia (Piperaceae)

Peperomia obtusifolia
Peperomia obtusifolia (Planta de borracha bebê) é uma espécie de planta de florescência na família Piperaceae, nativa da Flórida, México e Caribe. É um evergreen (Sempre-viva - é uma planta que tem folhas durante todo o ano, sempre verdes) perene que cresce a 25 cm (10 pol) de altura e largura, com folhas coriáceas em concha e picos estreitos de flores brancas até 12 cm (5 dentro) de comprimento. 
O epíteto específico obtusifolia significa "sem corte de folhas". 
Com uma temperatura mínima de 15°C (59°F), que deve ser cultivada no interior em mais temperadas regiões. Uma planta bastante conhecida, numerosos cultivares têm sido desenvolvidos, alguns dos quais mostram folha variegadas. P. obtusifolia ganhou o Royal Horticultural Society 's Award of Merit Garden .
https://en.wikipedia.org/wiki/Peperomia_obtusifolia

Cuidados com a planta: Ocasional beliscar fora de pontos de crescimento durante a primavera e o verão vai induzir as plantas a produzir mais rebentos laterais e tornar-se mais espessas. 
Luz: Peperomia obtusifolia com folhas verdes precisam ser à sombra do sol quente durante os meses mais ensolarados, mas aqueles com folhagem variegada com algumas horas de sol por dia. Essas plantas devem ser colocados muito perto de uma janela iluminada, especialmente no inverno.
Temperatura: Peperomia obtusifolia prosperar em temperaturas ambientes normais. Mesmo quando não está em crescimento ativo, devem ter uma temperatura de pelo menos 13°C (55°F). Apesar de sua aparência como suculentas, eles não são plantas de deserto. Eles precisam de alta umidade durante a estação de crescimento. Em salas muito quentes as plantas perdem as folhas na secura. Recomenda-se a manter as plantas em bandejas de seixos úmidas em maiores em potes de turfa úmida.
Rega: água somente a planta quando é claramente necessário e depois de forma muito restritiva. Deixe a mistura de envasamento a secar quase completamente entre as regas. Quantidade de água excessiva mesmo por curtos períodos irá resultar em perda considerável da folha e pode até trazer estrago completo das plantas.
As folhas grossas e carnudas dessas plantas que consigam resistir a curtos períodos de seca. Se a qualquer momento perceber as folhas estranhamente transparente, isso provavelmente indica que a planta precisa de água.
Fertilização: Aplicar fertilizante líquido padrão uma vez por mês a meia força de meados da primavera e do outono única. Muito a alimentação Muita irá resultar em crescimento suave, atípico e, eventualmente, a planta entrará em colapso.
Envasamento e replantio: Peperomia obtusifolia melhor cultivadas em uma mistura de envasamento à base de turfa. Porque eles têm pouca raiz que vai fazer bem em pequenos vasos, meios-potes, recipientes rasos, tigelas e cestas de suspensão. 
As plantas jovens podem precisar de ser movido em potes um tamanho maior na primavera. As plantas maduras em 10 a 13 centímetros (5/4 polegadas) é improvável que precisa replantio. Todos os vasos devem ter uma camada superficial de fragmentos de argila ou outro material de drenagem no fundo para promover a boa drenagem.
Propagação: Peperomia obtusifolia podem ser propagadas a partir de 5-8cm (2-3 polegadas) de comprimento estacas de ponta. Tome cortes na primavera ou início do verão e inserir vários deles no mesmo pote de 5-8cm (2-3 polegadas) com apenas úmidas de igualdade de partes de turfa de musgo e areia grossa ou perlite. Mantenha as mudas em vasos a uma temperatura de cerca de 18°C (64°F) na luz brilhante, mas não na luz solar direta e regá-las com muita cautela. Estacas de ponta tendem a enraizar em quatro a seis semanas. Mova a nova planta enraizada em vasos maiores, mas apenas quando tiverem completamente cheios com raízes e precisam claramente de mais espaço.
Castas recomendadas: 
Peperomia obtusifolia 'Alba' é uma forma variegada com pálido amarelo limão folhas novas, aprofundando na cor à medida que envelhecem.
Peperomia obtusifolia 'Albo-marginata' é uma forma variegada com bordas prateadas branco em uma folha verde-cinza.
Peperomia obtusifolia 'Variegata' e Peperomia obtusifolia 'Greengold' são as duas formas variegadas com manchas de creme ou amarelo.
Peperomia obtusifolia 'Minima " é uma forma de anão Peperomia obtusifolia.
Problemas: Peperomia obtusifolia é suscetível ao mofo cinzento (botrytis). Que podem aparecer na base das hastes se o ar é muito estagnado, folhas marrons caídas, pode ser causado por quedas bruscas de temperatura. 
Tratamento: Mantenha a planta em local bem ventilado para evitar mofo cinzento a aparecer. Retire as folhas afetadas imediatamente e sempre manter as plantas longe de secas e os peitoris de janelas frias.
Excesso de rega resultará em murchar ou folhas descoloridas em caules e raízes da folha.
Usos: Peperomia obtusifolia é utilizada em terrários, plantadores mistos ou em prateleiras e em agradável janela, ensolarado.
Estas plantas de interior limpar o ar, emitindo alto teor de oxigênio, e purifica o ar interior através da remoção de produtos químicos, como formaldahyde ou outras toxinas
http://www.plantsrescue.com/tag/peperomia-obtusifolia-variegata/

29 de abr de 2009

Suculentas em detalhes

Olá, conforme fui observando, achei interessante também, fotografar as suculentas em novos ângulos, para observar pequenos detalhes...em que suas folhas fazem uma composição simétrica natural...que causam admiração e curiosidade pelas formas e texturas de cada espécie...sou uma novata querendo saber mais das suculentas...
Tenham um bom dia. Abraços, Sol






Flor da Haworthia cymbiformis var. setulifera (Asphodelaceae)

É de uma delicadeza, tão pequenas flores,
 mas que causam imensa admiração por sua sutileza na floração. 


As flores são brancas, pequenas e delicadas...

Flor da Echeveria 'Fun Queen' (Crassulaceae)

Uma das minhas primeiras suculentas a florescer...


“PACIÊNCIA: O intervalo entre a semente e a flor.” (Ana Jácomo)

23 de abr de 2009

Mini cactus sem identificacao (Cactaceae)



 Na minha coleção de plantas suculentas estes são meus únicos mini cactus, ainda não pesquisei o nomes e também não sei se dão flores. Por ter apenas suculentas e algumas folhagens, experimentei, pela primeira vez comprar espécies de cactus. Achei fofinhos e, coloquei num mesmo vaso. Totalmente leiga sobre eles.
Em busca de informação, descobri que existem muitas espécies. Muitas variedades ideais como alternativa para cultivo, tanto em jardins e como plantas de interior. Ao que consta todos os Cactus florescem. Achei que seria útil obter informações e colocá-las neste post. Abrange desde a descrição ao cultivo. O mais interessante foi a respeito da nomenclatura e classificação. A princípio a designação era Cactus, depois foi transferida para outro nome e mais divisões de gêneros, e subfamílias, no decorrer do tempo conforme cada botânico. Pelo que entendi a classificação dos Cactus, no momento, é incerto. Atualmente existe um Grupo Internacional  Sistemático de Cactaceas trabalhando na classificação. Quanto as minhas, no momento a única espécie que descobri o nome, das três, foi a que está no centro. Seu nome popular é Orelha de Coelho e o nome científico é o Opuntia microdasys. Lindas flores amarelas brotam das extremidades. 


Cactus
Cactus L. era a designação de um gênero da família Cactaceae,
 dividido em 3 diferentes gêneros: 
Mammillaria, Melocactus e Opuntia.
Sinonímia
Mammillaria Haw.
As espécies deste gênero foram colocadas 
entre outros gêneros da mesma família.
Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Cactus
Cactus
Um cacto (plural: cactos ou cactus) é um membro da planta da família Cactaceae na ordem Caryophyllales. A palavra "cactus", deriva do Latim, a partir do grego antigo κάκτος, kaktos, um nome originalmente usado por Theophrastus para uma planta espinhosa cuja identidade não é certo. Os cactos ocorrem em uma ampla variedade de formas e tamanhos. A maioria dos cactos vivem em habitats sujeitos a, pelo menos, um pouco de seca. Muitos vivem em ambientes extremamente secos, mesmo sendo encontrado no deserto de Atacama, um dos lugares mais secos da Terra. Cactos mostram muitas adaptações para conservar a água. Quase todos os cactos são suculentas, o que significa que têm engrossado, partes carnudas adaptado para armazenar água. Ao contrário de muitas outras suculentas, a haste é a única parte da maioria dos cactos, onde este processo vital ocorre. A maioria das espécies de cactos perderam folhas verdadeiras, mantendo apenas espinhos, que são folhas altamente modificadas. Bem como a defesa contra herbívoros, espinhas ajudar a prevenir a perda de água através da redução do fluxo de ar perto do cacto e proporcionando alguma sombra. Na ausência de folhas, alargada hastes realizam a fotossíntese. Os cactos são nativas das Américas, que vão desde a Patagônia, no sul de partes do oeste Canadá no norte do país, com exceção de Rhipsalis baccifera, que também cresce na África e Sri Lanka.
Espinhos de cactos são produzidos a partir de estruturas especializadas chamadas aréolas, uma espécie de filial altamente reduzido. Aréolas são uma característica de identificação de cactos. Bem como espinhas, aréolas dão origem a flores, que são geralmente tubular e múltiplas pétalas. Muitos cactos têm curtos períodos de crescimento e dormências longos, e são capazes de reagir rapidamente a qualquer precipitação, ajudado por uma extensa mas relativamente raso sistema radicular que rapidamente absorver toda a água que atinge a superfície da terra.
Muitos cactos menores têm hastes em forma de globo, combinando o maior volume possível para armazenamento de água, com a menor área possível para a perda de água a partir de transpiração. 
Algumas espécies diferem significativamente na aparência da maioria da família. Pelo menos superficialmente, de plantas do gênero Pereskia semelhante à das outras árvores e arbustos que crescem em torno deles. Eles têm folhas persistentes, e quando mais velho, coberto de casca hastes. Possuem aréolas que identificá-los como cactos, e apesar de sua aparência, eles também têm muitas adaptações para a conservação da água. Pereskia é considerado próximo à espécie ancestral do qual todos os cactos evoluíram. Em regiões tropicais, outros cactos crescer como escaladores florestais e epífitas (plantas que crescem em árvores). Suas hastes são normalmente achatados, quase folha como na aparência, com menos ou mesmo sem espinhas, como o Cacto de Natal bem conhecido ou Cactus Thanksgiving (no gênero Schlumbergera).
Aréolas
Aréolas são estruturas únicas para cactos. Embora variável, eles geralmente aparecem como lã ou áreas peludas nas hastes a partir do qual emergem as espinhas. As flores também são produzidos a partir aréolas. No gênero Pereskia, acredita semelhante ao antepassado de todos os cactos, as aréolas ocorrem nas axilas das folhas (isto é, o ângulo entre o talo da folha e do caule). Em cactos sem folhas, aréolas muitas vezes são transmitidas em áreas levantadas na haste onde teria sido bases da folha.
Aréolas são brotos ou ramos altamente especializados e muito condensadas. Em uma sessão normal, nós de rolamento de folhas ou flores seriam separados por comprimentos de haste (entrenós). Em uma aréola, os nós são tão juntos, que eles formam uma única estrutura. A aréola pode ser circular, alongado em uma forma oval ou mesmo separado em duas partes; as duas peças podem ser visivelmente ligado de alguma maneira (por exemplo, por uma ranhura na haste) ou aparecem completamente separada (uma aréola dimorphic). A parte mais perto do topo da haste, em seguida, produz flores, as espinhas outras peças. Aréolas muitas vezes têm os cabelos multicelulares (tricomas) que dão a aréola uma aparência peluda ou lã, às vezes de uma cor distinta como o amarelo ou marrom. 
Na maioria dos cactos, as aréolas produzim novos espinhos ou flores apenas por alguns anos, e, em seguida, tornar-se inativo. Isso resulta em um número relativamente fixo de espinhos, com as flores sendo produzido apenas a partir das extremidades de hastes, que ainda estão crescendo e formando novas aréolas. Em Pereskia, um género próximo do ancestral de cactos, as aréolas permanecem ativo por muito mais tempo; este é também o caso da Opuntia e neoraimondia. 
Hastes
A haste de folhas, espinhoso é a característica de a maioria dos cactos (e todos os que pertencem à subfamília maior, o Cactoideae). A haste é tipicamente suculentos, o que significa que está adaptada para armazenar a água. A superfície da haste pode ser lisa (como em algumas espécies de Opuntia) ou coberta com protuberâncias de vários tipos, que são geralmente chamadas tubérculos. Estes variam de pequenas "saliências" para formas proeminentes, similar a mamilo no gênero Mammillaria e crescimento quase como as folhas em Ariocarpus espécies. A haste pode também ser nervuras ou pregas em forma. A importância destas nervuras depende da quantidade de água a haste está a armazenar: quando cheio (até 90% da massa de um cacto pode ser água), as nervuras podem ser quase invisível na haste inchada, ao passo que quando o cacto é curto de água e as hastes encolher, as nervuras podem ser muito visível. 
Espinhos
Botanicamente, "espinhos" distinguem-se dos "espinhos": espinhos são folhas modificadas, e os espinhos são ramos modificados. Cacto produz espinhos, sempre a partir de aréolas como mencionado acima. Espinhas estão presentes mesmo nos cactos com folhas, como Pereskia, Pereskiopsis e maihuenia, então eles claramente evoluiram antes da ausência de folhas completa. Alguns cactos só tem espinhos quando jovem, possivelmente apenas quando mudas. Isto é particularmente original de cactos árvore, tais como Rhipsalis ou Schlumbergera, mas alguns cactos vivem no chão, tais como Ariocarpus, falta também espinhos quando maduro. 
Os espinhos de cactos são muitas vezes úteis para identificação, uma vez que elas variam grandemente entre espécies em número, a cor, tamanho, forma e dureza, assim como em todas as lombadas se produzidos por um aréola são semelhantes ou se elas são de diferentes tipos. A maioria das espinhas são, no máximo, linear ou ligeiramente curvado, e são descritos como semelhantes a cabelo, do tipo cerda, em forma de agulha ou tipo furador, em função do seu comprimento e espessura. Alguns cactos têm espinhos achatados (por exemplo Schlerocactus papyracanthus). Outros cactos possuem espinhos em forma de gancho. Às vezes, um ou mais espinhos centrais são curvas, enquanto espinhos exteriores são em linha reta (por exemplo, Mammillaria rekoi). 
Flores
Tal como os seus espinhos, cacto flores são variáveis. Tipicamente, o ovário está rodeado por material derivado de haste ou receptáculo de tecido, que forma uma estrutura chamada pericarpel.Tecido derivado de as pétalas e sépalas continua a pericarpel, formando um tubo compósito todo pode ser chamado de um tubo floral, estritamente falando, embora apenas o mais distante a partir da parte de base é floral na origem. O exterior da estrutura tubular tem frequentemente aréolas que produzem lã e espinhas. Normalmente, o tubo também tem escala como pequenas brácteas, que mudam gradualmente para estruturas como sépala e, em seguida, pétala, sendo assim, as sépalas e pétalas não pode ser claramente diferenciados (e, portanto, são muitas vezes chamados de "tepals"). Alguns cactos produzir tubos florais sem lã ou espinhas (por exemplo Gymnocalycium) ou completamente desprovido de quaisquer estruturas externas (por exemplo, Mammillaria). Ao contrário das flores de outros cactos, Pereskia flores podem ser suportados em cachos. 
As flores dos cactos geralmente têm muitas estames, mas apenas um único estilo, que pode ramificar no final para mais do que um estigma. Os estames geralmente surgem a partir de toda a superfície interna da parte superior do tubo floral, embora em alguns cactos, os estames são produzidos em uma ou mais "série" distinta em mais áreas específicas do interior do tubo floral. 
A flor como um todo é geralmente radialmente simétrico (actinomorfas), mas podem ser bilateralmente simétrico (zygomorphic) em algumas espécies. Cores da flor variam do branco ao amarelo e vermelho para magenta. 
Morfologia
Os 1.500 a 1.800 espécies de cactos principalmente sucedem em um dos dois grupos de "core cactos": opuntias (subfamília Opuntioideae) e "cactoids" (subfamília Cactoideae). A maioria dos membros desses dois grupos são facilmente reconhecíveis como cactos. Os restantes dos cactos sucedem em apenas dois gêneros, Pereskia e maihuenia, e são bastante diferentes, o que significa que qualquer descrição de cactos como um todo deve frequentemente fazer exceções para eles.
Taxonomia e classificação
Nomear e classificar cactos tem sido difícil e controverso desde os primeiros cactos que foram descobertas pela ciência. As dificuldades começaram com Carl Linnaeus. Em 1737, ele colocou os cactos que sabia em dois gêneros, Cactus e Pereskia. No entanto, quando ele publicou Species Plantarum, em 1753, o ponto de partida para nomenclatura botânica moderna, transferiu todos para um gênero, Cactus. A palavra "cactus" é obtido através do Latim a partir do grego antigo κάκτος (kaktos), um nome usado por Theophrastus para uma planta espinhosa, que pode ter sido o cardo (Cynara cardunculus).
Botânicos posteriores, como Philip Miller em 1754, dividiu cactos em vários gêneros, que, em 1789, Antoine Laurent de Jussieu colocou em sua recém criada família Cactaceae. No início do século 20, os botânicos chegaram a sentir que nome Cactus de Linnaeus, tornou-se tão confuso quanto ao seu significado (foi o gênero ou a família?) Que ele não deve ser usado como um nome de gênero. Em 1905 Viena congresso botânico rejeitou o nome Cactus e, em vez declarou Mammillaria era o tipo de gênero da família Cactaceae. E, no entanto, preservar o nome Cactaceae, conduzindo à situação incomum em que a família Cactaceae já não contém o gênero após o que foi chamado. As dificuldades continuaram, em parte porque as plantas dando nomes científicos se baseia em "Tipo de espécimes". Em última análise, se botânicos querem saber se uma determinada planta é um exemplo de, digamos, Mammillaria mammillaris, eles devem ser capazes de comparar com o espécime tipo para a qual este nome está conectado permanentemente. Tipo espécimes são normalmente preparadas por compressão e secagem, após o que eles são armazenados em herbários para agir como referências definitivas. No entanto, cactos são muito difíceis de preservar dessa forma; eles evoluíram para resistir a secagem e seus corpos não são facilmente comprimir. Uma dificuldade adicional é que muitos cactos foram dados nomes por agricultores e horticultores, em vez de botânicos; como resultado, as disposições do Código Internacional de Nomenclatura Botânica (que regula os nomes dos cactos, bem como outras plantas) foram muitas vezes ignoradas. Curt Backeberg, em particular, é dito ter nomeado ou renomeado 1.200 espécies sem um de seus nomes nunca ser ligados a um espécime, o que, de acordo com David Hunt, garantiu que ele "deixou um rastro de caos nomenclatural que provavelmente vai continuar a discussão de taxonomistas cacto por séculos". 
Classificação
Em 1984, foi decidido que a Seção Cactaceae da Organização Internacional de Estudo de Plantas suculentas deve criar um grupo de trabalho, agora chamado de Cactaceae Systematics International Group (ICSG), para produzir classificações de consenso até o nível de gêneros. O sistema deles foi usado como a base de classificação posteriores. Tratamentos detalhados publicados no século 21 têm dividido a família em torno de 125 a 130 gêneros e 1,400 a 1,500 espécies, que depois são organizados em uma série de tribos e subfamílias. A classificação ICSG do cacto família reconhece quatro subfamílias, a maior das quais é dividido em nove tribos. As subfamílias são os seguintes: 
Subfamília Pereskioideae K. Schumann
O único gênero é Pereskia. Ele tem características consideradas mais próximo dos antepassados ​​do Cactaceae. As plantas são árvores ou arbustos com folhas; suas hastes são suavemente redonda em corte transversal, em vez de ser com nervuras ou ter tubérculos. Dois sistemas podem ser utilizados na fotossíntese, tanto o "normal" C 3 mecanismo e metabolismo do ácido crassulean (CAM) - um recurso "avançado" de cactos e outras suculentas que conserva a água. 
Subfamília Opuntioideae K. Schumann
Cerca de 15 gêneros estão incluídos nesta subfamília. Eles podem ter folhas quando são jovens, mas estes são perdidos mais tarde. Os seus caules são geralmente divididos em "juntas" distintas ou "pads" (cladódio). As plantas variam em tamanho de pequenas almofadas de Maihueniopsis até como árvores espécies de Opuntia, subindo para 10 m (33 ft) ou mais. 
Subfamília Maihuenioideae P. Fearn
O único gênero é maihuenia, com duas espécies, sendo que ambos formam esteiras de baixo crescimento. Ele tem algumas características que são primitivos dentro do cactos. As plantas têm folhas, e metabolismo do ácido crassulean é totalmente ausente. 
Subfamília Cactoideae
Dividida em nove tribos, este é o maior subfamília, incluindo todos os cactos "típico". Os membros são altamente variáveis ​​em hábito, variando de árvore como a epífitas. As folhas são normalmente ausente, embora às vezes as folhas muito reduzidas são produzidos por plantas jovens. Hastes geralmente não são divididos em segmentos, e estão com nervuras ou tubérculos. Duas das tribos, Hylocereeae e Rhipsalideae, inclui trepadeiras ou formas epífitas com uma aparência um pouco diferente; os caules são achatadas e pode ser dividida em segmentos. 
Estudos filogenéticos moleculares têm apoiado a monofilia de três destas subfamílias (não Pereskioideae), mas que não é aceito todas as tribos ou mesmo gêneros abaixo deste nível; de fato, um estudo de 2011 encontrou apenas 39% dos gêneros na subfamília Cactoideae mostrado na pesquisa foram monophyletic. A classificação dos cactos atualmente continua incerto e provavelmente mudará.
Cultivo
Cactos ocorrem naturalmente em uma vasta gama de habitats e são depois cultivadas em muitos países com climas diferentes, então replicar com precisão as condições em que uma espécie normalmente cresce geralmente não é prático. Pode ser feita uma distinção ampla entre cactos semi deserto e cactos epífitas, que precisam de diferentes condições e são mais cultivadas separadamente. 
Crescimento médio
A finalidade do meio de cultura é dar apoio e para armazenar água, oxigênio e minerais dissolvidos para alimentar a planta. No caso dos cactos, há um consenso geral de que um meio de exposição 
aberto com uma proporção alta dar é importante. Quando os cactos são cultivadas em recipientes, as recomendações quanto à forma como isso deve ser assimilado variam muito; Miles Anderson diz que se lhe pedirem para descrever um meio de crescimento perfeito, dez produtores daria 20 respostas diferentes". Roger Brown sugere uma mistura de duas partes comercial sem solo meio de crescimento, argila hidropônico uma parte e uma parte de pedra-pomes grosseiros ou perlita, com a adição de solo de húmus de minhoca. A recomendação geral de material orgânico à base de 25-75%, sendo o resto inorgânico tal como pedra-pomes, perlite ou cascalho, é suportado por outras fontes. No entanto, a utilização de material orgânico é rejeitado completamente por outros; Hecht afirma que cactos (exceto epífitas) "quer do solo que é pobre em húmus ou livre", e recomenda areia grossa como a base de um meio de crescimento.
Rega
Cactos semi desérticas precisam de rega cuidadosa. Conselho geral é difícil de dar, uma vez que a freqüência da rega necessária depende de onde os cactos estão sendo cultivadas, a natureza do meio de cultura, e o habitat original dos cactos. Brown diz que mais cactos são perdidos através da " aplicação prematura de água do que por qualquer outra razão "e que, mesmo durante a temporada de inverno dormente, cactos preciso um pouco de água. Outras fontes dizem que a água pode ser retido durante o inverno (novembro a março no Hemisfério Norte). Outra questão é a dureza da água; onde é necessário o uso de água dura e regular envasamento é recomendado para evitar o acúmulo de sais. O conselho geral dado é que durante a estação de crescimento, cactos devem ser autorizados a secar entre as regas completas. Um medidor de água pode ajudar a determinar quando o solo está seco. 
Luz e temperatura
Embora cactos semi-deserto pode ser exposto a altos níveis de luz na natureza, eles ainda podem precisar de algum sombreamento quando submetidos aos níveis de luz e temperaturas mais elevadas de uma estufa no verão. Deixando a temperatura subir acima de 32°C (90°F) não é recomendada. A temperatura mínima de inverno necessária depende muito das espécies de cactos envolvidos. Para um conjunto misto, uma temperatura mínima de entre 5°C (41°F) e 10°C (50°F) é muitas vezes sugerido, exceto no caso de gêneros sensíveis a frio tais como Melocactus e Discocactus. Alguns cactos, particularmente os do alto dos Andes, são totalmente resistentes ao frio quando mantidas secas (por exemplo Rebutia minuscula sobrevive temperaturas abaixo de -9°C (16°F) no cultivo e pode flor melhor quando expostos a um período de frio. 
Fonte: https://en.wikipedia.org/wiki/Cactus
Cultivo em vaso
Um bom substrato é essencial podendo ser composto da seguinte maneira: 50% de areia lavada de rio, 50% de terra vegetal. Pode ser acrescentado o húmus de minhoca na proporção de um terço do volume de terra vegetal. Os espécimes jovens não devem ser expostos diretamente ao sol o dia inteiro, precisando apenas de luminosidade intensa. A rega não deve ser excessiva, pois pode apodrecer o cacto.
Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Cactaceae

21 de abr de 2009

Sol e plantas...o início de tudo...um pouco desta novata...


Comecei este lazer, este ano, pois até o momento não tinha plantas e, descobri como é agradável cultivar plantas suculentas.Queria saber mais, sobre as plantas que comprei, assim como o nome de cada uma mas, morando no Japão, os nomes estavam com caracteres japoneses e, lá fui eu pesquisar. Me aprofundando em pesquisas e visitando sites, fiquei encantada, pois tomei conhecimento que, existe uma variedade imensa de suculentas, classificadas por família, gênero e espécies. Sei que uma empolgação tomou conta e, quando percebi, já formava uma pequena coleção. Fui tirando fotos e, na vontade de querer expor, as minhas plantas, escolhi a alternativa de fazer este espaço e compartilhar, para saber mais de plantas e aprender mais com as pessoas. Foi um jeito de tornar este lazer mais agradável. Será um prazer estar compartilhando e aprendendo com todos. Sol

Características das Suculentas  
As suculentas são plantas que acumulam água em um ou mais de um dos seus tecidos. Por serem de regiões secas precisam de uma reserva para os longos períodos de estiagem. Elas podem armazenar água nas raízes, caules, troncos, folhas etc. Por isso muitas vezes elas apresentam folhas, troncos ou o caule "gordinhos" cheio de água, daí o nome "Suculentas". As suculentas usam alguns "truques" para diminuir a perda de água como envolver as folhas com uma fina película de cera ou uma camada bem densa de espinhos para fazer sombra no corpo da planta. Muitas suculentas desenvolveram também um metabolismo diferente, chamado CAM (metabolismo do ácido crassuláceo), onde as plantas fecham os estômatos durante o dia e os abrem durante a noite. Estômatos são pequenas aberturas nas folhas que absorvem o dióxido de carbono enquanto as raízes absorvem água.  O alimento para a planta é produzido pela fotossíntese, combinando a água e o dióxido de carbono para produzir açúcares. Nesse processo (fotossíntese) o oxigênio é produzido e liberado no ar. No caso das suculentas o dióxido de carbono absorvido durante a noite é liberado gradativamente durante o dia, e também combinado com vários ácidos orgânicos (ácido málico). Durante o dia este ácido é transformado em açúcar pela ação da fotossíntese. As suculentas são sempre de região seca; porém podem ser de regiões secas quentes ou regiões secas frias como Alpes ou Balcãs (Sempervivum).  
As espécies de suculentas são em torno de 22.000, sendo 2.000 espécies de cactus.  
As suculentas não são uma família mas um grupo de plantas. Algumas famílias como a das cucurbitáceas (abóboras) possuem espécies que são suculentas, mas não todas. Fazem muita confusão também entre cactus e suculentas. Os cactus são de uma família do grupo das Suculentas (Cactaceae).  
Todo cacto é uma suculenta mas nem toda suculenta é um cacto. 
Informação retirado do site de Vasos de Suculentas Angela Gontijo  
http://www.suculentas.com.br/proj.htm#caracter  

14 de abr de 2009

Sedum 'Adolphii' (Crassulaceae)

Esta suculenta também foi uma das primeiras na minha coleção de suculentas. Era o início e achava todas lindas e era sempre uma alegria adquirir novas suculentas. Pesquisando descubro que amantes destas plantas é bem amplo, e cada vez ganham mais admiradores. 
*Sedum 'Adolphii'   (Crassulaceae)
Sedum adolphii  Hamet 1912 (Sedum Ouro) 
Syn. Sedum nussbaumerianum  Bitter 1923 
As carnudas, folhas verde-oliva desta arbustiva Sedum assumem uma tonalidade avermelhada de ouro em pleno sol. Na Primavera, estas plantas produzem cabeças de perfumadas flores brancas estreladas. Novas plantas pode ser iniciado a partir de tão pouco quanto uma única folha. Nativo da Vera-Cruz, México. Descrito para ser limítrofe resistente em áreas secas, embora a necessidade de proteção de invernos chuvosos e geada severa.
 Sedum é um grande gênero de plantas com flores na família Crassulaceae, cujos membros são comumente conhecidos como stonecrops. Ele contém cerca de 400 espécies de folha suculentas que são encontrados em todo o hemisfério norte, anuais variando de ervas rasteiras a arbustos. As plantas armazenam água nas folhas. As flores geralmente têm cinco pétalas, raramente quatro ou seis. Há tipicamente duas vezes mais estames como pétalas.
Um número de espécies, anteriormente classificados como Sedum, são agora um gênero separado Hylotelephium.
Bem conhecidos sedums europeus são Sedum acre, Sedum álbum, Sedum dasyphyllum, Sedum reflexum (também conhecido como Sedum rupestre) e Sedum hispanicum.
Ornamental 
Muitos Sedums são cultivados como plantas jardim, devido à sua aparência interessante, atraente e resistência. As várias espécies diferem em suas exigências, alguns são resistentes ao frio, mas não toleram o calor, alguns necessitam de calor, mas não toleram o frio.

Tenho aprendido com o tempo ...
"... Que a felicidade vibra na frequência das coisas mais simples. Que o que amacia a vida, acende o riso, convida a alma pra brincar. São essas imensas coisas pequeninas bordadas com fios de luz no tecido áspero do cotidiano. Como o toque bom do sol quando pousa na pele. A solidão que é encontro. O café da manhã com pão quentinho e sonho compartilhado. A lua quando o olhar é grande. A doçura contente de um cafuné sem pressa. O trabalho que nos erotiza. Os instantes em que repousamos os olhos em olhos amados. O poema que parece que fomos nós que escrevemos. A força da areia molhada sob os pés descalços. O sono relaxado que põe tudo pra dormir. A presença da intimidade legítima. A música que nos faz subir de oitava. A delicadeza desenhada de improviso. O banho bom que reinventa o corpo. O cheiro de terra. O cheiro de chuva. O cheiro do tempero do feijão da infância. O cheiro de quem se gosta. O acorde daquela risada que acorda tudo na gente. Essas coisas. Outras coisas. Todas, simples assim ..."(Ana Jácomo)

Echeveria pulidonis (Crassulaceae)

Echeveria pulidonis foi uma das primeiras que adquiri, no início da minha coleção de plantas suculentas. É uma suculenta compacta sem crescer em demasia, sendo assim permanece em sua peculiar forma. Suas folhas alongadas e verdes realçada pelo fino tom avermelhada a volta das bordas.
Echeveria pulidonis (Crassulaceae)
Echeveria pulidonis
Echeveria pulidonis foi descrito em 1972 por Eric Walther. O nome é considerado como validamente publicada.
É uma espécie do gênero Echeveria que contém 139 espécies e pertence à família do Crassulaceae (Família Stonecrop).
É uma planta perene com folhas simples. As folhas são dispostas opostas uma à outra. Eles são oblanceolate com margens inteiras.
As flores são rosa tubular e escuro. As plantas florescem de fevereiro a abril.
Echeveria pulidonis é nativa do leste do México.
Prefere um local ensolarado e pode suportar temperaturas abaixo de -12,2 º C. Ela cresce melhor em areia-gritty solo que é moderadamente úmido.

A Pulidonis é uma variedade de Echeveria cuja principal característica é um contorno avermelhado na borda das folhas. Se para um observador desatento ela possa ser muito parecida com as outras variedades, um olhar mais preciso mostra que sua beleza está nos detalhes.
Uma das principais vantagens da Pulidonis é sua alta durabilidade e resistência, um pouco maior que as outras variedades, desde que mantida com pouca água. É uma Echeveria que não cresce muito, na maioria das vezes se mantém com cerca de 10 a 15 centímetros de diâmetro e raramente cresce para para cima, mantendo sempre seu aspecto compacto.
Para cuidar da Pulidonis, basta molhar de uma a duas vezes por mês, dependendo do calor. Aguenta muito bem o sol direto de um jardim externo, mas também pode ser mantida em apartamento. Uma dica: dentro de casa ou ambientes de “meia sombra”, como ao lado de janelas, é melhor mantê-la bem seca, molhando com pouca água uma vez por mês.
Como é uma planta que não cresce muito, você pode usar vasos maiores com algumas plantas, que ficam muito bonitos. Se quiser, pode combinar também com outras variedades de Echeverias.
Fonte: http://www.echeveria.com.br/


"O que vale na vida não é o ponto de partida e sim a caminhada. Caminhando e semeando, no fim terás o que colher." 
(Cora Coralina)

Crassula perforata var.variegata (Crassulaceae)

É uma suculenta de aparência muito delicada com folhas pequenas e nuances suaves. A perfeita simetria na disposição entre as folhas é uma sutileza que me encantou. Assim amplia harmonia e formosura no meu espaço verde, ter mais uma graciosidade na minha coleção de suculentas. 
 Admirável como a natureza tem senso da criatividade e dom de beleza imensurável. 
Crassula perforata var. variegata (Crassulaceae)
Crassula perforata - Esta planta também é chamada de Colar de Botões e (incorretamente) de Crassula Pagode (e uma variedade de outros nomes comuns obviamente compostas em vários viveiros). Ele também tem um monte de sinônimos, mas o único que noto ser usado com freqüência é Crassula conjuncta. A Crassula perforata é uma planta de forma agressiva (rebento parece espalhar-se abaixo do solo, mas apenas centímetros de distância) com um magro haste 2 mm, sobre o qual as folhas são empilhadas suculentas triangulares de várias cores (dependendo da variedade). As cores também alteraram um pouco dependendo da temperatura da estação, disponibilidade de água, e a exposição à luz (que é provavelmente excessivo, em que tais parâmetros são os que mudam com as estações do ano). As folhas triangulares são empilhadas de modo a que eles dão a impressão de um alto e quadrado gumes planta. Nesta espécie, há um pouco de espaço (vários milímetros) entre cada folha. Esta planta não parece ramificar muito, pelo menos não da forma semelhante a Crassula rupestris faz.  
É uma planta muito resistente, que parece preferir um pouco de proteção no meio do verão em um local quente e clima seco. 
É uma planta de grande vaso, preenchendo espaços pequenos com um número de colorido, altas formas geométricas. Eventualmente, estas plantas crescem "fora do vaso" drapeados sobre as bordas e pendurado para baixo, só para dobrar para trás em direção ao sol novamente, tornando-os plantas ideais para vasos suspensos baixos.
Existem versões variadas desta planta, e alguns verdes também. Não sei se todas as versões variadas têm identidades individuais, ou se eles simplesmente caem sob a mesma categoria taxonômica Colar 'variegada "de botões. Mas alguns são verde pálido com tiras brancas, algumas são multicoloridas com rosa, vermelhos, laranjas e amarelos pálidos, e alguns são verde brilhante com somente sugestões de variegação.
Alguns confundem Crassula perforata com Crassula perfoliata, uma planta muito maior e de forma brilhante flor que não se parece nada Crassula perforata .
Híbridos dessas duas espécies são abundantes, e um dos melhores híbridos é pelo cruzamento destes dois (Crassula perforata x Crassula rupestris var marnieriana): o resultado é uma planta chamada Colar do bebê que é uma planta muito resistente e ornamental, pequena, arredondada, com folhas carnudas bem empilhados (sem caule visível entre as folhas) e geralmente colorido (centros de verdes com bordas vermelhas) e se assemelha a um colar de contas como seria de se encontrar em um colar. Esta planta não ramifica muito e fica relativamente pequeno (6 "-12" de altura) e tem excelente tolerância a seca e ao frio, embora alguns preferem proteção solar. 
Crassula empilhadas ✽ Suculentas ornamentais
Crassula é um gênero monstruoso de centenas de espécies e de muitas mais centenas  híbridos e cultivares. Muitas espécies de Crassulas tem uma maneira única de crescimento, com suas folhas empilhadas umas sobre as outras e com a haste correndo até o meio deles. A isso chamo de Crassulas empilhadas, embora eu não sei se alguém faz, por isso não pensar que isso é algum termo oficial descritivo. 
Ao olhar através de muitos sites na web tornou-se claro que não sou a única pessoa confusa lá fora, e que muitos outros misturaram esses nomes, chamam disso, daquilo, daquele, etc...
Não tenho certeza de que todas as formas destes empilhados Crassulas terem sido nomeados oficialmente, ou se eles têm, essa informação não foi liberada para o público. 
Em certo sentido, todas as Crassulas são empilhadas com folhas em torno de uma haste central. Mas as plantas que vou concentrar são os que crescem para cima e não as variedades pilha ou roseta. As espécies básicas na maioria modelados são Crassula perforata e Crassula rupestri. Há os pequenos empilhados Crassulas, mucosa e pyramidalis. Há os curtos, os aglomerados empilhadas, Crassula marchandii e columela. Depois há os Crassula Capitella thyrsiflora variedades que qualificam como plantas empilhadas. Provavelmente há dezenas de outros. Mas estes são alguns dos mais queridos comuns encontrados no cultivo. Claro que existem muitas de dezenas destes híbridos, e mais de outras Crassulas que acontecem em formar pilhas. Alguns são comuns e outros bastante raros.


"... Nem tudo é dias de sol,
E a chuva, quando falta muito, pede-se
-Por isso tomo a infelicidade com a felicidade
Naturalmente, como quem não estranha
Que haja montanhas e planícies
E quando haja rochedos e erva...
O que é preciso é ser-se natural e calmo
Na felicidade ou na infelicidade,
Sentir como quem olha,
Pensar como quem anda,
E quando se vai morrer, lembrar-se de que o dia morre,
E que o poente é belo e é bela a noite que fica...
Assim é e assim seja..."
(Fernando Pessoa)

Crassula rupestris (Crassulaceae)

minha coleção de suculentas aumenta, em uma boa proporção, assim como a admiração por estas plantas também se intensifica. E prosseguindo neste lazer, comprei mais espécies. Esta suculenta é muito graciosa, adorei o tom verde das pequenas folhas. Muitas das suculentas fui descobrindo e acrescentando na coleção, mas muitos também perdi, pela falta de experiência em lidar com cada uma delas. Assim quando posso procuro pesquisar e me informar. Outro fator importante também, é de observar o desenvolvimento delas, pois as plantam mostram muito, e vai se aprendendo com elas, como lidar com a exigências de cada espécie.
Crassula rupestris (Crassulaceae)
Crassula rupestris, ou a Planta Rosário ou Vine, é uma planta 
com empilhados maior semelhante, mas com mais folhas carnudas do que são do Lancelote perfeitamente triangular, e muitas vezes são em dois tons. Também esta planta tende a ter um mais verde, mais carnuda haste, maior do que Crassula perforata faz. Esta é uma espécie altamente ramificada, como a maioria de seus híbridos e cultivares. As flores de Crassula rupestris são provavelmente a principal característica, sendo rosa e globóides e realmente bastante ornamental, ao contrário dos lineares, flores de convivência de Crassula perforata. É esta última característica que me ajuda a mais contar as duas espécies além...mas quando não está em flor, posso estar enganado, às vezes.
Existem diversas variedades de Crassula rupestris que são bastante comumente encontrados em cultivo: Crassula Tom Thumb é uma variedade da espécie chamada Crassula rupestris var commutata e é basicamente uma versão em miniatura de Crassula rupestris. Há uma versão variegada da planta, também.

Crassula empilhadas ✽ Suculentas ornamentais
Crassula é um gênero monstruoso de centenas de espécies e de muitas mais centenas híbridos e cultivares. Muitas espécies de Crassulas tem uma maneira única de crescimento, com suas folhas empilhadas umas sobre as outras e com a haste correndo até o meio deles. A isso chamo de Crassulas empilhadas, embora eu não sei se alguém faz, por isso não pensar que isso é algum termo oficial descritivo. Ao olhar através de muitos sites na web tornou-se claro que não sou a única pessoa confusa lá fora, e que muitos outros misturaram esses nomes, chamam disso, daquilo, daquele, etc...Não tenho certeza de que todas as formas destes empilhados Crassulas terem sido nomeados oficialmente, ou se eles têm, essa informação não foi liberada para o público. Em certo sentido, todas as Crassulas são empilhadas com folhas em torno de uma haste central. Mas as plantas que vou concentrar são os que crescem para cima e não as variedades pilha ou roseta. As espécies básicas na maioria modelados são Crassula perforata e Crassula rupestri. Há os pequenos empilhados como Crassulas mucosa e pyramidalis. Há os curtos, os aglomerados empilhadas, Crassula marchandii e columela. Depois há os Crassula Capitella thyrsiflora variedades que qualificam como plantas empilhadas. Provavelmente há dezenas de outros. Mas estes são alguns dos mais queridos comuns encontrados no cultivo. Claro que existem muitas de dezenas destes híbridos, e mais de outras Crassulas que acontecem em formar pilhas. Alguns são comuns e outros bastante raros.
Fonte: http://davesgarden.com/guides/articles/v+iew/1102/#b


"Se temos de esperar, 
que seja para colher a semente boa 
que lançamos hoje no solo da vida. 
Se for para semear, 
então que seja para produzir 
milhões de sorrisos, 
de solidariedade e amizade."
(Cora Coralina)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...